Voltar para homepage
Quem Somos Unidades Serviços Calendário Notícias Como Ajudar Artigos Contato Loja Virtual
Drogas no trabalho: demitir ou ajudar?


Esta pergunta paira nos escritórios de recursos humanos das grandes empresas, nas reuniões executivas de diretores e o consenso nem sempre é possível. Muitos acreditam que o funcionário que esteja fazendo uso de álcool ou outras drogas no ambiente de trabalho, ou mesmo esteja chegando para trabalhar sob efeito de alguma substância psicoativa deve ser sumariamente demitido; afinal, o ambiente de trabalho deve ser preservado e a produtividade e o lucro estão em primeiro lugar. Outros, com olhar mais condescendente, acreditam que devem dar mais oportunidades a esses colaboradores, pois ele é um bom funcionário, tem experiência e não pode ser simplesmente demitido por justa causa pelo fato de estar passando por essas dificuldades.
A primeira iniciativa de demitir o funcionário sumariamente apenas transfere o problema para a família e a sociedade. Além disso, os custos da demissão são elevados e a reposição da mão de obra qualificada e com experiência no setor está escassa e onerosa. Outro agravante dessa medida é que muitas vezes a empresa demite um alcoolista e contrata um dependente de crack.
A segunda medida, de acobertar o dependente químico, não resolve o problema. Pelo contrário, pode agravá-lo com acidentes de trabalho, ausências inesperadas, piora do ambiente de trabalho com insatisfações generalizadas em toda a empresa. Segundo cálculos do Banco Interamericano do Desenvolvimento (BID), o Brasil perde por ano US$ 19 bilhões por absenteísmo, acidentes e enfermidades causadas pelo uso do álcool e outras drogas. Dados levantados pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) indicam que de 20% a 25% dos acidentes de trabalho no mundo envolvem pessoas intoxicadas, que machucam a si mesmas e a outros.
No ambiente de trabalho, o uso indevido de álcool e outras drogas afeta até 15% dos empregados, aumenta em cinco vezes as chances de acidentes de trabalho, é responsável por 50% do absenteísmo e licenças médicas e aumenta os custos com rotatividade dos funcionários.
Diante dessa realidade, se torna urgente a construção de uma terceira alternativa, mais viável sob o ponto de vista econômico e social, que seria oferecer ajuda ao funcionário que demonstra estes sintomas.
A Família de Caná propõe um modelo inovador de atenção ao funcionário que está desenvolvendo essa doença. O modelo de semi-internação, em que o dependente trabalha durante o dia e, à noite, se recolhe na comunidade urbana para fazer o seu tratamento. Nos finais de semana o residente é deslocado para a Fazenda de Caná e continua tendo toda a assistência necessária para conquistar sua sobriedade.
Mais informações ligar para 3462-9221 e falar com Marcos, psicólogo coordenador do projeto.
Cláudio Martins Nogueira
Psicólogo clínicoDrogas no trabalho: demitir ou ajudar?
Esta pergunta paira nos escritórios de recursos humanos das grandes empresas, nas reuniões executivas de diretores e o consenso nem sempre é possível. Muitos acreditam que o funcionário que esteja fazendo uso de álcool ou outras drogas no ambiente de trabalho, ou mesmo esteja chegando para trabalhar sob efeito de alguma substância psicoativa deve ser sumariamente demitido; afinal, o ambiente de trabalho deve ser preservado e a produtividade e o lucro estão em primeiro lugar. Outros, com olhar mais condescendente, acreditam que devem dar mais oportunidades a esses colaboradores, pois ele é um bom funcionário, tem experiência e não pode ser simplesmente demitido por justa causa pelo fato de estar passando por essas dificuldades.
A primeira iniciativa de demitir o funcionário sumariamente apenas transfere o problema para a família e a sociedade. Além disso, os custos da demissão são elevados e a reposição da mão de obra qualificada e com experiência no setor está escassa e onerosa. Outro agravante dessa medida é que muitas vezes a empresa demite um alcoolista e contrata um dependente de crack.
A segunda medida, de acobertar o dependente químico, não resolve o problema. Pelo contrário, pode agravá-lo com acidentes de trabalho, ausências inesperadas, piora do ambiente de trabalho com insatisfações generalizadas em toda a empresa. Segundo cálculos do Banco Interamericano do Desenvolvimento (BID), o Brasil perde por ano US$ 19 bilhões por absenteísmo, acidentes e enfermidades causadas pelo uso do álcool e outras drogas. Dados levantados pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) indicam que de 20% a 25% dos acidentes de trabalho no mundo envolvem pessoas intoxicadas, que machucam a si mesmas e a outros.
No ambiente de trabalho, o uso indevido de álcool e outras drogas afeta até 15% dos empregados, aumenta em cinco vezes as chances de acidentes de trabalho, é responsável por 50% do absenteísmo e licenças médicas e aumenta os custos com rotatividade dos funcionários.
Diante dessa realidade, se torna urgente a construção de uma terceira alternativa, mais viável sob o ponto de vista econômico e social, que seria oferecer ajuda ao funcionário que demonstra estes sintomas.
A Família de Caná propõe um modelo inovador de atenção ao funcionário que está desenvolvendo essa doença. O modelo de semi-internação, em que o dependente trabalha durante o dia e, à noite, se recolhe na comunidade urbana para fazer o seu tratamento. Nos finais de semana o residente é deslocado para a Fazenda de Caná e continua tendo toda a assistência necessária para conquistar sua sobriedade.
Mais informações ligar para 3462-9221 e falar com Marcos, psicólogo coordenador do projeto.
Cláudio Martins Nogueira
Psicólogo clínico

Data: 23/01/2014


Voltar para página anterior
Associação Família de Caná
R. Henrique Gorceix, 80 | Padre Eustáquio | Belo Horizonte/MG | 30720-416
Telefone: (31) 3462-9221 | E-mail: familiadecana@ig.com.br